Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

AuToCaRaVaNiStA

Portal AuToCaRaVaNiStA http://www.autocaravanista.pt Coordenador jbmendes

AuToCaRaVaNiStA

Portal AuToCaRaVaNiStA http://www.autocaravanista.pt Coordenador jbmendes

EM MEMÓRIA DO NOSSO AMIGO E COMPANHEIRO JOSÉ TEIXEIRA

FICARÁS PARA SEMPRE NOS NOSSOS CORAÇÕES

Aos 15 de Março de 2014, a Confraria da Panela de Ferro do Grupo AuToCaRaVaNiStA Português através dos seus confrades, participaram na homenagem dedicada ao nosso amigo e confrade José Teixeira, com a deposição desta lápide no seu túmulo, sinónimo de amizade, reconhecimento, e dedicação ao Grupo AuToCaRaVaNiStA Português. Esta cerimónia foi participada pelos confrades que estiveram representados com a indumentária da confraria e estandarte oficial. No final um documento com uma pequena oratória foi assinada e entregue pelos presentes à familia


*********************************************************************************


ATUALIZAÇÃO: MISSA DE 7º DIA - Sábado 28 de Dezembro 2013, pelas 16H30, na Igreja de Nª Srª da Paz - Rua de S. Vicente - Alfena. Parque de grande capacidade de estacionamento para as Autocaravanas por trás da Igreja. Encontro às 16H00.
Coordenadas GPS - N 41º 13' 23" - W 08º 32' 08"

Contamos com os nossos amigos Autocaravanistas.

*********************************************************************************
R.I.P. - JOSÉ RIBEIRO RODRIGUES TEIXEIRA - 27/11/1943 - 18/12/2013

Participamos com muito pesar o falecimento do nosso muito querido amigo e companheiro Jose Teixeira
O funeral será na sexta feira às 15H00 na Capela mortuária da Rua S.Vicente em Alfena.
Informamos também que após as cerimónias o Portal AuToCaRaVaNiStA e a Página do Grupo estará inativa até data indeterminada.

Com um coração do tamanho do mundo, fez a última participação no fim de semana antes do seu falecimento, na organização do Natal Solidário do Grupo AuToCaRaVaNiStA Português.

Doamos bens à Casa do Gaiato, Obra do Padre Américo, foi com este  último gesto de nobreza que se despediu fisicamente de nós, ficará para sempre nos corações de quem o conheceu e conviveu com ele de perto. Pessoa de grande generosidade, amigo do seu amigo e fiel aos seus princípios. Deixa uma enorme lacuna no Grupo que ajudou a construir, e mais do que ninguém merece ser louvado.

ATÉ SEMPRE COMPANHEIRO. ANDARÁS SEMPRE NO MEIO DE NÓS. GOSTAMOS MUITO DE TI.

CONFRADES DA CONFRARIA DA PANELA DE FERRO DO GRUPO AuToCaRaVaNiStA PORTUGUÊS QUE COMPARTICIPARAM NA LÁPIDE DE HOMENAGEM AO SAUDOSO AMIGO E COMPANHEIRO JOSÉ TEIXEIRA.


01 - Joaquim B. Mendes 
02 - Fernando Silva
03 - Jorge Fernandes 
04 - Agostinho Rodrigues
05 - Manuel Monteiro 
06 - Joaquim S. Mendes 
07 - Joaquim Ferreira  
08 - Claudino Oliveira 
09 - Manuel Ferraz 
10 - António Pedro 
11 - Carlos Silva 
12 - António Resende 
13 - Mário Pontes 
14 - Diamantino Bastos 
15 - António Teixeira 
16 - José Alberto 
17 - Américo Silva 
18 - Carlos Lima 
19 - Alexandre Oliveira 
20 - Julião Reis 
21 - Domingos Oliveira 
22 - José Ferreira 
23 - Joaquim Abreu 
24 - Aires Passos 
25 - António Ferreira  



  UMA HOMENAGEM DO ESPIRITO DE GRUPO, NESTA MISSÃO DO GRUPO AuToCaRaVaNiStA PORTUGUÊS 

  SANTIAGO DE COMPOSTELA - LOURDES - SANTUÁRIO DE FÁTIMA
                     P'lo coordenador do Grupo AuToCaRaVaNiStA Português - jbmendes

FESTA DE NATAL DA FAMÍLIA AuToCaRaVaNiStA 2012



Apontamento AuToCaRaVaNiStA:
Festa de Natal de carácter privado da família AuToCaRaVaNiStA, realizada no salão de festas da habitovar, de 15 para 16 de Dezembro de 2012. Ambiente familiar e natalício, com um grupo bastante mais chegado, e já habitual nos convívios e viagens que se vai realizando ao longo do ano. FELIZ NATAL PARA TODOS.

Portal AuToCaRaVaNiStA:
www.autocaravanista.pt.vu - www.grupoautocaravanista.webs.com
Copyright AuToCaRaVaNiStA - by jbmendes

PRAIA FLUVIAL POÇO CORGA - CASTANHEIRA PÊRA - LEIRIA

Apontamento AuToCaRaVaNiStA:


Esta Praia Fluvial de Poço Corga, fica situada no município de Castanheira de Pêra que pertence ao Distrito de Leiria.
Praia Fluvial com galardão de “Praia Acessível”. Situada no leito da Ribeira de Pêra, de águas límpidas e cristalinas, a Praia Fluvial do Poço Corga proporciona ao visitante a tranquilidade e serenidade necessárias para renovar forças e deliciar o corpo e o espírito. As paisagens bucólicas, que misturam o verde da Serra da Lousã com o azural do céu, o colorido das flores e o chilrear dos pássaros, propiciam um contacto pleno com a natureza. 
  
Nos terrenos anexos à praia, um esplêndido carvalhal centenário oferece as indispensáveis sombras a um parque de merendas e o Museu “Lagar do Corga”, antigo lagar movido a energia hidráulica, recorda aos visitantes como os nossos antepassados produziam o azeite. A qualidade da água, o acesso pedonal, as rampas de acesso para pessoas com mobilidade reduzida, as instalações sanitárias adaptadas e com acesso facilitado, o serviço de primeiros socorros com nadador-salvador, durante a época balnear, são algumas das mais-valias oferecidas por esta Praia. 

INFRA-ESTRUTURAS DA PRAIA: 


Restaurante/Bar com esplanada WC público/balneários WC p/ deficientes Posto de Primeiros Socorros Praia infantil Parque de merendas Parque de estacionamento Museu “Lagar do Corga” Parque de Campismo Chuveiros Zona relvada Nadadores Salvadores





ACESSOS RODOVIÁRIOS:

Vindo de Norte pela A1, sair em Condeixa-a-Nova, apanhar o IC3 no sentido de Tomar. Chegando ao IC8, entrar em direcção a Castelo Branco, saindo no nó que indica Castanheira de Pera, 10km depois chegará ao destino. (Percurso Recomendado)
Vindo de Norte pela A1, sair em Condeixa-a-Nova, apanhar o IC3 no sentido de Tomar. Depois de Penela, em Casais do Cabra, contornar a rotunda em direcção ao Espinhal, que o trará por uma estrada de serra. (Percurso Panorâmico)


Vindo de Sul pela A1, sair em Pombal, entrar no IC8 em direcção a Castelo Branco até ao nó de Castanheira de Pera, 10km depois chegará ao destino. Vindo de Sul pela A1, sair em Torres Novas, seguindo pela A23, sair na indicação de Tomar, entrar no IC3 (variante à cidade de Tomar), até à ligação do IC8 (Pontão), tomar a direcção Castelo Branco até ao nó de Castanheira de Pera, 10km depois chegará ao destino. Vindo de Este pela A23, sair para o IC8 na indicação Pombal/Sertã/Proença-a-Nova, seguindo até ao nó pela A23, sair na indicação de Tomar, entrar no IC3 (variante à cidade de Tomar), até à ligação do IC8 (Pontão), tomar a direcção Castelo Branco até ao nó de Castanheira de Pera, 10km depois chegará ao destino. 

Portal AuToCaRaVaNiStA:
www.autocaravanista.pt.vu - www.grupoautocaravanista.webs.com
Copyright AuToCaRaVaNiStA - by jbmendes












CASTELO DE BELVER - GAVIÃO - PORTALEGRE

Apontamento AuToCaRaVaNiStA:

Muitos dos nossos monumentos, infelizmente estão fechados no fim de semana, este "Castelo de Belver" por acaso estava em obras, mas não deixa de ser contraproducente para a divulgação turistica, o facto de encontrarmos muita coisa fechada. Sobre Belver, é uma pequena freguesia do Concelho de Gavião, circundada pelo Rio Tejo, que porporciona para quem vai pelo outro lado da ponte que a une, uma area de lazer com ciclovia beira rio, que o leva até à praia fluvial.


                   História:
BELVER, encontra-se no concelho de Gavião, distrito de Portalegre, distando aproximadamente 5 quilómetros da sede concelhia; o seu orago é Nossa Senhora da Visitação. O território da actual povoação de Belver deverá ter sido ocupado pela primeira vez em épocas muito longínquas, pois a julgar pela região em que se insere, onde se encontram vestígios de fixação humana pré-histórica, como por exemplo, a anta do Penedo Gordo na Torre Fundeira, não se pode excluir a hipótese de essas populações se terem espalhado por toda aquela área, inclusivamente para a de Belver.


O repovoamento fixo e permanente do território da freguesia foi iniciado por D. Sancho I que, por carta de 13 de Junho de 1194, fez doação à Ordem do Hospital de S. João de Jerusalém das terras denominadas “Guidimtesta’, com a condição de na “Vila de Guidimtesta’, edificarem um castelo, a que o próprio monarca impôs o nome de “Belver”, cuja interpretação é “Bela Vista”; facto concordante com a localização do referido castelo, que se situa no alto de um morro, na margem direita do rio Tejo, de onde se tem a panorâmica da freguesia. O castelo foi fundado por Gualdim Pais, dos Hospitalários; esta Ordem estava familiarizada com as inúmeras experiências em arquitectura militar avançada, o que permitiu a construção de uma fortaleza muito bem delineada. Julga-se que o castelo terá sido ocupado pelos cavaleiros da Ordem antes mesmo da sua conclusão, em 1212. O Foral Novo atribuído por D. Manuel 1, a 18 de Maio de 1518, instituiu o concelho de Belver; porém, no século XVII, o seu termo estava muito mais reduzido, sendo apenas composto por Belver e Comenda.

O concelho de Belver acabava por ser extinto em 1836, na sequência de uma reorganização administrativa do país. Belver ficava então integrada no concelho de Mação e, em 1898, passava para o de Gavião, ao qual ainda hoje pertence. O castelo é o mais valioso património cultural da povoação e a Barragem de Belver um dos locais de maior interesse turístico. A sua situação geográfica e as dificuldades económicas, fizeram da povoação um dos pontos onde a emigração chegou a atingir valores significativos, levando muitos dos seus habitantes a procurar noutras zonas do país e do mundo, trabalho com melhor remuneração, visto que no local, a actividade dominante é a agricultura, sendo a produção olivícola a que mais se destaca. No artesanato local, ressaltam os tapetes e as colchas em lã ou linho.
Fonte: Junta de Freguesia de Belver

Portal AuToCaRaVaNiStA:
Copyright AuToCaRaVaNiStA - by jbmendes

OLHOS DA FERVENÇA - CANTANHEDE - COIMBRA

Apontamento AuToCaRaVaNiStA:

Olhos da Fervença está localizado na Freguesia de Cadima, Município de Cantanhede, e pertence ao Distrito de Coimbra. É nesta zona que está localizada a mãe de água que abastece uma grande parte do Concelho de Cantanhede, a agua remanescente fez nascer a praia fluvial de Olhos da Fervença, onde está integrado um parque de lazer muitíssimo agradável, o qual no verão é bastante concorrido. É servido ainda por um Restaurante/Bar, balneários com WCs públicos etc. Tem parque de estacionamento, mas para pernoita é bastante isolado, pelo que não se aconselha a sua permanência à noite. Tem bastante sombra de verão, churrasqueias, e uma boa relva para estender toalhas. Local recomendado pelo Portal AuToCaRaVaNiStA.

Local Verde, muito aprazível com praia fluvial de águas limpas pela manhã já que as nascentes de água presentes alí muito próximo renova consecutivamente a água. Parque de merendas com churrasqueiras à disposição, bar restaurante de apoio à praia. O local para pernoita é um pouco isolado pelo que se aconselha caso seja necessário o centro de Cantanhede aqui também retratado



             HISTÓRIA:
Praia Fluvial dos Olhos da Fervença: Fonte de abastecimento de água do Concelho de Cantanhede e outros limítrofes, as nascentes dos Olhos da Fervença, na Freguesia de Cadima, têm atraído uma significativa afluência anual de visitantes, não só pelas suas particularidades invulgares e únicas mas também por estarem integradas numa zona natural de eleição.


Para tirar partido do potencial turístico do local, foi construída uma praia fluvial, no âmbito de uma intervenção de fundo que incluiu o correcto aproveitamento do seu espaço envolvente como zona de lazer, designadamente com a criação de um pequeno areal e área de prado relvado para banhos de sol e descanso, circuitos pedonais, bar com esplanada, balneários, parque de merendas e campo de jogos.
Fonte: http://www.cm-cantanhede.pt/


Portal AuToCaRaVaNiStA:
http://www.autocaravanista.pt.vu/ - http://www.grupoautocaravanista.webs.com/
Copyright AuToCaRaVaNiStA - by jbmendes

CAMPO MAIOR - ALENTEJO - PORTALEGRE

Apontamento AuToCaRaVaNiStA:
Campo Maior, é uma Vila Alentejana, que fica a pouquíssimos quilómetros de Elvas e com Badajoz à vista. É uma Vila simpática, com gente igualmente simpática e hospitaleira, é bastante conhecida por ser o berço dos cafés Delta, que emprega a maioria da população de Campo Maior, que em agradecimento, ergueu uma estátua ao comendador Nabeiro, em sua homenagem. Como crítica, saliento a má organização da zona histórica, nomeadamente nas trazeiras do Castelo e do Convento que lhe fica anexo, com a comunidade cigana instalada em barracas em toda a sua circunferencia, com lixo e dejetos espalhados pela zona do casco histórico. Não tenho nada contra a comunidade cigana, mas acho que a Autarquia deveria criar outras condições de habitação para essa comunidade alí instalada, mas fora daquele local, que é o mais importante edifício histórico e turístico de Campo Maior.

             HISTÓRIA:

História da Vila de Campo Maior Origem do nome: A lenda diz que a povoação foi fundada por vários chefes de família que viviam dispersos no campo e resolveram agrupar-se para uma maior protecção. Descobrindo um espaço aberto, um diz para os outros: "Aqui o campo é maior".Vestígios de proveniência diversa permitem concluir que o actual território do concelho de Campo Maior foi habitado desde a época Pré-Histórica. Certamente foi uma Povoação Romana, dominada por Mouros durante meio milénio e conquistada por cavaleiros cristãos da família Pérez de Badajoz em 1219, que posteriormente ofereceram a aldeia pertencente ao concelho de Badajoz à Igreja de Santa Maria do Castelo. Em 31 de Maio de 1255, D. Afonso X, rei de Leão, eleva-a a Vila.
O Senhor da Vila, o Bispo D. Frei Pedro Pérez concede, em 1260, o primeiro foral aos seus moradores assim como o seguinte brasão de armas : N. Sr.ª com um cordeiro, e a legenda “Sigillum Capituli Pacensis”. Em 31 de Maio de 1297, através do Tratado de Paz de Alcanizes assinado em Castela por D. Fernando IV, rei de Leão e Castela e D. Dinis, passa a fazer parte de Portugal, juntamente com Olivença e Ouguela. Campo Maior vai pertencer sucessivamente a D. Branca, irmã de D. Dinis, em 1301 ; a D. Afonso Sanches, filho ilegítimo do mesmo rei, em 1312 ; e novamente ao rei D. Dinis em 1318. O seu castelo que se ergue a leste da vila foi reedificado por D. Dinis em 1310, e foi no século XVII e XVIII que se levantaram fortificações tornando Campo Maior numa importante praça forte de Portugal. Como reflexo da influência castelhana em Campo Maior, durante a Revolução de 1383-85, a guarnição militar e os habitantes da vila colocam-se ao lado do rei de Castela, tornando-se necessário que o Rei D. João I de Portugal e D. Nuno Álvares Pereira se desloquem propositadamente ao Alentejo com os seus exércitos para a cercarem durante mais de um mês e meio e ocuparem pela força, em fins de 1388. D. João II deu-lhe novo brasão: um escudo branco, tendo as armas de Portugal de um lado, e de outro S. João Baptista, patrono da vila. Em 1512, o rei D. Manuel I concede foral à vila de Campo Maior. Desde os fins do Século XV, muitos dos perseguidos pela Inquisição em Castela refugiam-se em Portugal. A população de Campo Maior vai aumentar substancialmente à custa da fixação de residência de muitos desses foragidos. A comunidade judaica ou rotulada como tal era tão numerosa na vila no Século XVI que nas listas dos apresentados em autos de fé realizados em Évora pela Inquisição, Campo Maior aparece entre as terras do Alentejo com maior número de acusados de judaísmo. A guerra com Castela a partir de 1640 vai produzir as primeiras grandes transformações. A necessidade de fortificar a vila que durante os três últimos séculos se desenvolvera acentuadamente para fora da cerca medieval, a urgência em construir uma nova cintura amuralhada para defesa dos moradores da vila nova dos ataques dos exércitos castelhanos, vai obrigar o rei a enviar quantias avultadas em dinheiro, engenheiros militares, operários especializados e empregar um numeroso contingente de pessoal não qualificado. Os contingentes militares são então numerosos. Calcula-se que na Segunda metade do Século XVII, em cada quatro pessoas residentes na vila, uma era militar. Campo Maior foi, durante algum tempo quartel principal das tropas mercenárias holandesas destacadas para o Alentejo. A vila torna-se naquele tempo o mais importante centro militar do Alentejo, depois de Elvas. Em 1712, o Castelo de Campo Maior vê-se cercado por um grande exército espanhol comandado pelo Marquês de Bay, o qual durante 36 dias lança sobre a vila toneladas de bombas e metralha, tendo conseguido abrir uma brecha num dos baluartes; o invasor ao pretender entrar por aí, sofre pesadas baixas que o obrigam a levantar o cerco. No dia 16 de Setembro de 1732, pelas três da manhã, desencadeia uma violenta trovoada, o paiol, contendo 6000 arrobas de pólvora e 5000 munições, situado na torre grande do castelo é atingido por um raio, desencadeando de imediato uma violenta explosão e um incêndio que arrastou consigo cerca de dois terços da população. D. João V determina a rápida reconstrução do castelo. A vila vai erguer-se lentamente das ruínas e aos poucos refazer-se para voltar a ocupar o lugar de primeira linha nos momentos de guerra e de local de trocas comerciais e relacionamento pacífico com os povos vizinhos de Espanha, nos tempos de paz. No Século XVIII termina a construção das actuais Igrejas da Misericórdia e da Matriz, e lança-se a primeira pedra para a fundação da Igreja de S. João. A vila que até então só tivera uma freguesia urbana é dividida nas duas actuais, Nossa Senhora da Expectação e São João Baptista, em 1766. Os primeiros anos do Século XIX são em Campo Maior de grande agitação. Um cerco, em 1801, pelos espanhóis e uma revolução local, em 1808, contra os franceses que então invadiram Portugal o comprovam. A sublevação campomaiorense contra a ocupação napoleónica vai sair vitoriosa devido ao apoio do exército de Badajoz que permanece na vila durante cerca de três anos. Em 1811 surge uma nova invasão francesa que fez um cerco cerrado durante um mês à vila, obrigando-a a capitular. Mas a sua resistência foi tal que deu tempo a que chegassem os reforços luso-britânicos sob o comando de Beresford, que põe os franceses em debandada, tendo então a vila ganho o título de Vila Leal e Valorosa, título este presente no actual brasão da vila. As lutas entre liberais e absolutistas em Campo Maior são também acontecimentos assinaláveis. A «cólera morbis» mata, em 1865, durante cerca de dois meses e meio, uma média de duas pessoas por dia. Em 1867, tentam extinguir Campo Maior como sede de concelho, agregando-lhe Ouguela e anexando-o ao concelho de Elvas. Tal decisão provoca um levantamento colectivo da povoação, que em 13 de Dezembro, entre numa verdadeira greve geral. O concelho é definitivamente acrescido da sua única freguesia rural, em 1926 – Nossa Senhora dos Degolados.
Fonte: www.cm-campomaior.pt

Portal AuToCaRaVaNiStA:
www.autocaravanista.pt.vu - www.grupoautocaravanista.webs.com
Copyright AuToCaRaVaNiStA - by jbmendes

MOSTEIRO DE SÃO MIGUEL DE REFOJOS - CABECEIRAS DE BASTO

Apontamento AuToCaRaVaNiStA:

São Miguel de Refojos, está inserido no Município de Cabeceiras de Basto, e pertence ao Distrito de Braga. Esta visita vem na sequência de uma outra feita anteriormente, com o inconveniente de ter sido de noite, e por consequência disso não tive acesso ao interior do Mosteiro, e por esse motivo a ausência de imagens do seu interior obrigou-me a uma segunda visita. Desta feita, apesar da chuva que se fazia sentir, o mosteiro estava aberto para tirar umas fotos, e eu não me fiz rogado.


             HISTÓRIA:

Os cronistas regulares não acordam no nome do fundador deste notável Mosteiro, para uns Hermínio Fafes, para outros Gomes Soeiro. Porém estas afirmações não merecem crédito, embora na então sala do Capítulo do Mosteiro se tivesse colocado um pretenso retrato do segundo, como fundador, nem deverá conceder-se maior importância ao informe de Frei Leão de S. Tomás, de que no Mosteiro haviam aparecido sepulturas datadas de 670 e 701. Certo é que o Mosteiro existia já em princípios do Séc. XII, não se conhecendo com exactidão desde quando, e que os seus padroeiros eram os descendentes do rico-homem D. Gomes Mendes, “Guedeão”, que viveu em meados desse século, certamente porque foi dele o Mosteiro próprio de seus antepassados, dominantes na terra de Basto e, por aquela possessão, seus fundadores e senhores do luar de “Refúgios”.
O mais antigo desses nobres possessores é um “domno” Mendo, que viveu na segunda metade do século XI e de cuja ascendência nada se pode determinar de provável. Sucedeu-lhe nestas propriedades – “Villa” e respectivo “acistério” de S. Miguel – o filho, que os linhagistas medievais registaram com o nome de D. Gueda “O Velho”, para o distinguirem de outros homónimos, seus descendentes. É, indubitavelmente, um grande rico-homem da “escola” do Conde D. Henrique, D. Teresa e de D. Afonso Henriques.

No século XIII, a maior parte do padroado do Mosteiro passou de Gomes Mendes “Guedeão” a seu filho D. Egas Gomes Barroso. Dele passou à sua descendência, principalmente Gonçalo Viegas e Gomes Viegas “de Basto”. Estes e muitos outros padroeiros de Refojos eram proprietários nobres de locais à roda do convento nos séculos XII e XIII.
No século XIV, foi o Vasco Gonçalves “Barroso”, primeiro marido da que foi esposa do condestável D. Nuno Álvares Pereira, D. Leonor de Alvim; e esse seu filho de algo dotou o Mosteiro com muitos haveres. O rei D. Afonso Henriques havia coutado este Mosteiro ao seu abade Bento Mendes, por 800 maravedis; e pela inquirição se vê que nele se compreenderam, além do Mosteiro, as paróquias de S. Pedro de Alvite e Sta. Maria de Outeiro, respectivamente com dezassete e trinta casas. A igreja do Mosteiro era obrigada a dar apenas por ano quarenta maravedis velhos à Coroa.


D. Dinis, em 20/12/1223, deu carta “a Martim Gil priol do mosteyro de Reffojos de Basto e procurador do Abade e Convento do dito mosteyro” a respeito do escambo que Pero Foncinha e o comendador do “Barro” – Rio Gonçalves “tinham feito pelo rei e em seu nome pelas herdades em Adaúfe e em Crespos” por outros que os monges tinham em Vilalva dadas "pera sua pobra de Vila Real".
O Mosteiro de Refojos de Basto era governado por abades perpétuos, mas no reinado de D. Duarte passou a sê-lo por abades comendatários. Foi o primeiro D. Gonçalo Borges, em cuja família o cargo de manteve por 109 anos. Depois da morte de Francisco Borges, último daquela família, sucedeu-lhe D. Duarte, filho bastardo de D. João III, que veio a ascender ao arcebispado de Braga.
Foi seu sucessor o ilustre Frei Diogo de Murça, jerónimo, que governou a casa com o título de administrador perpétuo. Pediu este ao Papa Paulo III que extinguisse o Mosteiro e permitisse que as suas rendas fossem aplicadas a dois colégios que se deveriam fundar em Coimbra, um de S. Bento e outro de S. Jerónimo. O sobrante seria para construir um outro colégio para 12 pobres. O pontífice anuiu ao pedido e expediram-se as bulas nesse sentido, recebidas por Frei Diogo de Murça, em Coimbra, onde então reitorava a Universidade. Os padres, porém apelaram destas bulas e Frei Diogo reconsiderou, rogando para Roma que se mantivesse o Mosteiro com 12 padres e um prior e fosse reformado com os demais. Paulo IV acedeu a este novo pedido em 1555. Frei Diogo de Murça morreu no Mosteiro em 1570 e nele foi sepultado.

D. João Pinto, Cónego regrante de Sta. Cruz de Coimbra foi o último abade comendatário e, por bula de S. Pio V, o governo do Mosteiro foi entregue a abades trienais.
Gozou o Mosteiro de Refojos de Basto de avultadas rendas, quase todas em Trás-os-Montes, que eram divididas a meio com a Casa de Bragança, por serem herança do já referido Vasco Gonçalves “Barroso”, que foi sepultado no Mosteiro. A Igreja do Convento foi reconstruída em 1690, ficando com duas torres soberbas e muito elegantes.
O Mosteiro foi vendido pelo Estado, depois da extinção das Ordens Religiosas, em 1834.
Arte
A Igreja do Mosteiro é toda de estilo Barroco. São de realçar as seguintes partes da Igreja:

Na fachada dos lados direito e esquerdo estão colocadas as estátuas em tamanho natural do fundador da Ordem de S. Bento – São Bento de Núrcia, e de Santa Escolástica. Ala exterior em forma de varandim, tendo ao fundo, em nicho, a imagem de S. Miguel, e onde se celebrava missa campal no dia do padroeiro, S. Miguel, dia 29 de Setembro, em que o povo enchia toda a Alameda do Convento, hoje Praça da República. Figuras demoníacas, máscaras e também conhecidas por carrancas colocadas dos dois lados interiores logo a seguir à entrada da Igreja. Órgão duplo nas duas laterais, sendo um mudo. Dois púlpitos em castanho, pintados, em imitação de mármores e parcialmente dourados (data: 1777/1780). Pintados e dourados em 1786/1789. Gradeamento em pau ébano. Capela do Santíssimo Sacramento em castanho pintado e dourado (data: 1780/1789) – com dois anjos tocheiros de madeira estofada, e o Santo Cristo da Capela do SS. Sacramento em castanho estofado (data: 1783/1786?). Altar-Mor com credencia. Do esplendor da talha são de salientar alguns efeitos especiais, como a orla de “chamas” do pináculo da obra, as fitas de folhas cingindo as molduras convexas e o formoso festão de margaridas e rosas no remate da portada. A Capela do Altar-Mor é em castanho dourado (1764/1767). Dourada em 1780/1783. A Capela e o Altar-Mor foram concebidos por Frei José de Santo António. A Sacristia seiscentista possui, além de outros elementos de interesse, um arco inclinado, único nos monumentos do país, quatro espelhos em castanho (1767/1770) e dois contadores da mesma data. Os espelhos foram baseados num modelo inglês. Claustros com elegantes colunas de pedra e ao centro com uma taça também de granito. Zimbório em circunferência e rodeado por uma varanda interior e exterior e tendo ainda as esbeltas estátuas dos doze apóstolos, em tamanho natural e no remate, a do arcanjo São Miguel, rodeada por outra varanda. As cadeiras do Coro são em castanho (1767/1770) do qual o Coro consta o cadeiral, as sanefas e portas das portadas e três sanefas dos janelões. O grande cadeiral foi composto em dois andares com 45 assentos em forma de U com cadeira do D. Abade no centro, segundo a tradição beneditina. A igreja possui ainda uma mísula com a imagem de S. Miguel Arcanjo (data: 1767/1770).
Fonte: www.cm-cabeceiras-basto.pt

Portal AuToCaRaVaNiStA:
www.autocaravanista.pt.vu - www.grupoautocaravanista.webs.com
Copyright AuToCaRaVaNiStA - by jbmendes

NOSSA SENHORA DO SAMEIRO - BRAGA

Apontamento AuToCaRaVaNiStA:

O Santuário de Nossa Senhora do Sameiro em Braga, a par com o  Santuário do Bom Jesus, são uma referencia impar que Braga tem como sendo a Cidade dos Arcebispos, tal é o enraizamento à cultura Cristã, cimentada com os inúmeros monumentos religiosos edificados um pouco por toda a região Bracarense. Local aprazível na sua envolvencia com parque de merendas, restaurante e bar. O Santuário do Sameiro é visitado semanalmente por inúmeras excursões e turistas de diversas regiões e Países,  e é paragem obrigatória para quem visita Braga. Por alturas da Páscoa, procuramos visitar regiões, onde o espírito Pascal é uma presença assídua, e uma tradição. Aqui no Norte, a tradição ainda é o que era.

               HISTÓRIA:

Como Nasceu o Sameiro? Aqui, nunca houve nenhuma aparição nem visão de Nossa Senhora. O Sameiro existe como prova da profunda devoção do povo português à Santíssima Virgem, no mistério da sua Imaculada Conceição. É justo salientar a muito particular devoção do povo deste Minho, onde Guimarães é o berço da nacionalidade. A este sentir do povo, veio juntar-se a devoção e o entusiasmo de um ilustre e santo sacerdote bracarense, o Padre Martinho António Pereira da Silva, que, em placa de bronze, cravada no exterior da Basílica, o adjectiva como: «inspirado fundador do primeiro monumento à Imaculada Conceição, no Sameiro». Seu busto em bronze, marca o início da mais extensa Avenida do Sameiro. ,
Em 15 de Maio de 1982, num altar montado frente ao Monumental Cruzeiro, o Papa João Paulo II presidiu à celebração da Eucaristia. Daqui falou às famílias, deixando-lhes uma mensagem que, passados 20 anos, nada perdeu de actualidade. Pio IX - O Padre Martinho - Imaculada Conceição O Padre Martinho vibrava sempre que falava dos privilégios de Nossa Senhora, especialmente, o da Conceição Imaculada da Mãe de Deus. Em 8 de Dezembro de 1854, Pio IX, beatificado por João Paulo II, definiu a Imaculada Conceição da Virgem Maria como dogma católico. Toda a Igreja exultou com esta definição. Por toda a parte se erigiram monumentos para celebrar a alegria que tal acontecimento despertou nos devotos da Mãe de Deus. Pareceu ao Padre Martinho que o Monte Sameiro, na freguesia de Espinho, Braga, sobranceiro à cidade que se espraia a seus pés, seria o lugar privilegiado para erguer um monumento em honra da Imaculada Conceição. Primeiro Monumento do Sameiro No dia 14 de Junho de 1863, era lançada a primeira pedra de um pedestal de granito ladeado por vários degraus da mesma rocha. Serviria de suporte a uma estátua da Virgem Maria, com altura de 14 palmos, esculpida em mármore branco de uma só pedra. Foi trabalho do artista italiano Emídio Carlos Amatucci, que fixara residência em Portugal. Foi benzida pelo Arcebispo Primaz D. José Joaquim de Azevedo e Moura, aos 29 de Agosto de 1869, com assistência de muito povo, que não escondia sua emoção e alegria por tão bela obra em homenagem à Santíssima Virgem.

Este foi o primeiro marco histórico daquilo que é o Sameiro de hoje. Deste se pode ver, após a sua destruição, uma foto guardada no Museu. Primeira Capela construída no Sameiro O Povo de Braga, e de todos os recantos do Minho, começou a subir este monte em piedosas romagens. Passado pouco tempo, tornou-se necessário construir um lugar de culto, amplo e coberto, onde os devotos pudessem recolher-se e fazer oração. A ideia desta nova construção foi lançada quando o Concílio do Vaticano I (1870), definiu o dogma da Infalibilidade Pontifícia. Era uma capela com 30 por 19 metros, muito perto daquele 1º monumento. A bela escultura da Senhora do Sameiro Em 29 de Agosto de 1880 chegou a Braga uma grande (2,20 metros) e bela imagem da Imaculada Conceição, em madeira, obra do escultor romano Eugénio Maocegnali. Fora benzida pelo próprio Pio IX, em 22.12.1876. Ficou 2 anos na Igreja do Pópulo, Braga. Terminada a construção da Capela do Sameiro, a imagem foi transportada para lá em grandiosa peregrinação. Esta imagem é a que os devotos conhecem como a "Senhora do Sameiro" e se encontra no trono do Santuário. Dela foi feita uma cópia, que, desde a peregrinação de Junho de 2002, ocupa o lugar de maior destaque na Cripta da Basílica.

Um salto à gruta de Massabielle (Lourdes) Em Lourdes, na margem esquerda do rio Gave, no ano de 1858, 4 anos após a definição dogmática da Imaculada Conceição, a "jovem" que aparecia na gruta revelou o seu nome a Bernardette Soubirous: «Eu sou a Imaculada Conceição». Existe uma profunda relação entre Lourdes e o Sameiro: em ambos os santuários se venera a Imaculada Conceição. O conhecido "Avè" de Lourdes era o cântico "obrigatório" em todas as peregrinações ao Sameiro. Por isso, no piso inferior do terreiro, do lado Norte da Basílica, a Confraria mandou construir uma gruta que evoca a de Lourdes (França). No Sameiro nunca se falou em aparições, mas a Casa dos Ex-votos e actual Sala do Tesouro do Sameiro, guarda testemunhos de muitas graças especiais e "milagres", sobretudo de ordem moral, atribuídos à intervenção da Mãe de Jesus, invocada como Senhora do Sameiro. Ao Padre Martinho se deve a honra de "inspirado fundador" do Sameiro e ao Arcebispo Primaz D. Manuel Vieira de Matos (1915-1932) a de "grande impulsionador do Sameiro". De Sua Ex.cia Rev.ma é a conhecidíssima frase, gravada num dos painéis de azulejo da colunata: «Nossa Senhora não apareceu no Sameiro, mas está no Sameiro». Em 13 de Junho de 1954, na comemoração centenária da definição Dogmática da Imaculada Conceição, foi levantada, no escadório monumental, uma grandiosa escultura em bronze de Pio IX.

Há poucos anos, foi mudada para o acesso à avenida da Gruta de N.ª S.ª de Lourdes, e hoje marca o início da "Avenida do Rosário", inaugurada na Peregrinação de 18 de Agosto de 2002. Da exígua Capela à actual Basílica O número de peregrinos crescia todos os dias, especialmente nos Domingos. Foi necessário pensar num espaço mais amplo e digno. Em 31 de Agosto de 1890, era colocada a primeira pedra da actual Basílica do Sameiro, esse grandioso templo dedicado a Nossa Senhora da Conceição do Monte Sameio, para perpetuar a alegria do povo cristão que, deste modo, quis, mais uma vez, marcar a sua gratidão pela definição do dogma católico da Imaculada Conceição. A magnitude do edifício, diversos obstáculos e dificuldades de vária ordem, fizeram atrasar esta obra. Por isso, o Altar-mor, construído em mármore e colocado sobre supedâneo e degraus de granito de grão grosseiro, polido na Cooperativa de Pedreiros do Porto, só foi sagrado em 12 de Junho de 1941. O granito cinzento foi extraído de pedreiras da região, mas o de cor rosa veio da região de Porriño (Espanha). Neste grandioso templo de estilo neoclássico, em forma de Cruz latina, sobressai o zimbório e as duas torres dotadas de carrilhão de sinos. Interiormente, o majestoso trono, por trás do altar-mor termina com a "formosa" imagem de Nossa Senhora do Sameiro, em cuja base lateral tem pintado: "Eugénio Maocegnali . Face . Roma 1875". Na frente da mesma base, há uma placa que regista: «S.S. o Papa Pio IX benzeu esta imagem no dia 22 de Dezembro de 1876». O Artístico Sacrário O Sacrário, de 1,m32, todo em prata cinzelada, é obra primorosa de um artista bracarense, bem como as jarras florais destinadas à ornamentação do rico trono e os castiçais. O Santuário foi sagrado nas comemorações centenárias do primeiro monumento do Sameiro. Pode afirmar-se que a fé na Imaculada Conceição de Maria se transformou num rio sem margens a ponto de o Santo Padre Paulo VI ter elevado este Santuário à categoria de Basílica em 4 de Novembro de 1964. A Cripta - espaço muito maior Também a Basílica se tornou insuficiente para as grandes concentrações de fiéis. Por isso se construiu uma Cripta, inaugurada em 17 de Junho de 1979 . Por baixo da nave central da Basílica, foi aberto um largo túnel, escavado em duríssima rocha granítica, que permite aos fiéis a comunicação interior entre a Basílica e a Cripta. Trouxeram os restos mortais do Padre Martinho e depositaram-nos num austero, mas belo monumento, logo no primeiro patamar da descida do túnel. À entrada da Cripta, há um grande painel de azulejo, em baixo relevo, com a imagem de Nossa Senhora do Sameiro. O desenho é do falecido reitor, Cón. José Borges, numa realização de Querubim Lapa. Querubim Lapa é também o autor dos painéis, em cerâmica de relevo, policromada que ornamentam as paredes desta Cripta. Que é feito do 1º monumento do Sameiro do tempo do P. Martinho? Do primeiro monumento erguido no Sameiro em honra da Imaculada Conceição de Maria (inaugurado em 1869) praticamente nada resta a não ser a cabeça da primitiva imagem do escultor Emidio Amatucci. Em 9 de Janeiro de 1883, apareceu, enigmaticamente, destruído o pedestal e a imagem da Virgem, ignorando-se, ainda hoje, se terá sido derrubado por causas naturais ou se por maldade dos homens. A cabeça dessa imagem foi encontrada «milagrosamente intacta» entre os escombros e cuidadosamente guardada como uma das mais preciosas relíquias do Sameiro. Há poucos anos, essa cabeça foi montada sobre um agregado das pedras recolhidas dos escombros e colocada ao centro de um pequeno lago artificial no jardim das oliveiras.
Fonte:http://www.diocese-braga.pt/
Portal AuToCaRaVaNiStA:
www.autocaravanista.pt.vu - www.grupoautocaravanista.webs.com
COPYRIGHT AuToCaRaVaNiStA - by jbmendes

SANTUÁRIO DO BOM JESUS - BRAGA

Apontamento AuToCaRaVaNiStA:

O Bom Jesus de Braga, quase dispensa qualquer comentário, penso que tal qual como Fátima, toda a gente já teve uma vez na vida oportunidade de visitar este magnifico local lúdico de culto, de lazer, e rara beleza paisagística. Quem nunca ouviu a celebre frase: "ver Braga por um canudo!" Pois é mesmo aqui a origem dessa frase. A vista sobre Braga é totalmente abrangente no horizonte total e sem obstáculos, daqui vê-se a Pedreira (estádio do Braga) a Cidade na sua total panorâmica, e pode-se ver ao pormenor exatamente por um canudo sobre o miradouro junto à esplanada do bar. Desde Jardins frondosos, lagos para passeio de barco, passeios a cavalo, numa luxuriante vegetação. Não esquecer de subir e descer o escadório, ou em alternativa fazer uma das viagens no funicular movido a água, construído no século XIX.

                HISTÓRIA
O Santuário do Bom Jesus foi projetado pelo arquiteto Carlos Amarante, por encomenda do então Arcebispo de Braga, D. Gaspar de Bragança, para substituir a anterior, erguida por D. Rodrigo de Moura Teles. As suas obras iniciaram-se a 1 de junho de 1784, tendo ficado concluídas em 1811.

O adro, também projetado por Amarante, apresenta oito estátuas que representam personagens que intervieram na condenação, paixão e morte de Cristo.

A igreja apresenta planta na forma de uma cruz latina, constituindo-se em um dos primeiros edifícios em estilo neoclássico no país. A sua fachada é ladeada por duas torres, encimada por um frontão triangular.



Sítio magnifico onde se conjuga a obra da natureza com a notável obra do homem, (vasta, diversificada e absolutamente fabulosa), numa das maiores intervenções tardo barrocas do País desenvolvida por André Soares. Afirma-se como uma referência obrigatória do Barroco europeu, que evidência a própria evolução da arte-bracarense, consubstanciada na introdução do neoclássico por Carlos Amarante. Importa ainda referir e viajar no funicular, movido a água (finais do século XIX), peça viva da arqueologia dos transportes portugueses. Imóvel de interesse público, visitável durante todo o dia. Existem autocarros que partem do centro da cidade de meia em meia hora (aos dez e aos quarenta minutos).
Fonte: portugalvirtual

Portal AuToCaRaVaNiStA:
www.autocaravanista.pt.vu - www.grupoautocaravanista.webs.com
Copyright AuToCaRaVaNiStA - by jbmendes

BORBA - ALENTEJO - ÉVORA

Apontamento AuToCaRaVaNiStA:

Borba, Vila Alentejana reconhecida pelo seu bom vinho, azeite, e queijo. As caves da cooperativa de Borba ficam relativamente perto da Vila, para quem estacionar no parque junto à fonte, caminha cerca de 500 metros, onde pode visitar a adega com pavilhão de venda ao público. Vila típica Alentejana, tem uma boa gastronomia bastante apaladada com ervas aromáticas, da qual pode aproveitar para degustar nos diversos bares e restaurantes da Região. No trajeto de entrada e saída da Vila pode-se também observar as diversas pedreiras de extração do mármore da qual Borba é rica na sua extração.


             HISTÓRIA:

Borba é povoação antiquíssima cuja fundação alguns autores atribuem aos Galo-Celtas. Esteve sob o domínio romano, godo e árabe, sendo conquistada por D. Afonso II em 1217 e povoada pelo mesmo rei.
Em 15 de Junho de 1302 D. Dinis concedeu-lhe o primeiro foral, constituindo-se Borba como concelho e libertando-se do de Estremoz. Teve novo foral dado por D. Manuel I em 1 de Junho de 1512.
Foi também D. Dinsis quem promoveu o amuramento acastelado da povoação. O castelo dispunha-se em planta quardrilateral e a sua construção obedeceu as sistema corrente das fortificações similares da região. De grossa alvenaria, tinha amuramento espesso em altura normal, coroado por merlões góticos e de largo adarve que corria a muralha. O fosso, pouco profundo, desapareceu com a construção do casario que se foi desenvolvendo na face exterior.
Pelos inícios do Séc. XVIII, o governo militar da província determinou envolver a vila por um campo entrincheirado, com fossos, estacaria e estradas cobertas, obra que foi apenas esboçada e de que ainda existiam vestígios em 1766.
Do castelo, edificado ou remodelado do Séc. XIII, conserva-se a torre de menagem e duas portas, a de Estremoz e a do Celeiro.



Borba foi lugar de muitos acontecimentos notáveis da nossa história. Um dos principais foi o enforcamento do governador do castelo, Rodrigo da Cunha Ferreira, e de mais dois capitães portugueses da guarnição, no verão de 1662, após a invasão vitoriosa do exército de D. João da Áustria. Este terá mandado cometer o atroz acto como vingança pela morte de três capitães, um sargento e 20 soldados das suas forças, além de 50 feridos. A memória dos povos guardou a efeméride na tradição toponímica, com a "Rua dos Enforcados", que passou depois a chamar-se Rua Direita. Não contente com a sua represália, D. João da Áustria mandou ainda incendiar os Paços do Concelho e o Cartório Municipal, perdendo-se todos os manuscritos antigos da história de Borba.
Em 1383-1385, também Borba se viu envolvida nas campanhas da Independência, com destaque para os acontecimentos transcorridos durante a ocupação dos aliados ingleses do Duque de Lencastre e a cilada de Vila Viçosa, onde perdeu a vida Fernão Pereira, irmão de D. Nuno Álvares Pereira, que fizera quartel general em Borba e foi seu primeiro donatário, por mercê de D. João I.
Em 1483, D. Afonso Henriques, filho de D. Fernando da Trastâmara, senhor de Barbacena, foi amerceado por D. João II com a alcaidaria de Borba, então confiscada aos duques de Bragança.
Em 1665, Borba esteve ocupada por três regimentos de infantaria e um terço de cavalaria, e a população sofreu novamente o pânico da terrível invasão, que desmoronou no campo de Montes Claros, com a derrota dos exércitos de Filipe IV.



Em 1708, o general de artilharia João Furtado de Mendonça, governador da cidade de Elvas, era comendador de Borba.
Em Junho de 1711, a vila sofreu os incómodos da ocupação militar do general espanhol D. Domingos de Ceo, que impôs à população um elevado imposto de guerra.
Durante a Guerra Peninsular levantou-se em Borba um grupo de milicianos que figurou na defesa de Évora, em 29 de Junho de 1808. Pouco depois, entre 1809 e 1811, na vila se alojou uma brigada escocesa do exército anglo-luso de Beresford.
Fonte: Dicionário Enciclopédico das Freguesias - 4ª Edição
MinhaTerra - Estudos Regionais de Produção e Consumo, Lda.

Portal AuToCaRaVaNiStA:
www.autocaravanista.pt.vu - www.grupoautocaravanista.webs.com
Copyright AuToCaRaVaNiStA - by jbmendes




Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mais visitados

    Arquivo

    1. 2015
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2014
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2013
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2012
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2011
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2010
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2009
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2008
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2007
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2006
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D