Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

AuToCaRaVaNiStA

Portal AuToCaRaVaNiStA http://www.autocaravanista.pt Coordenador jbmendes

AuToCaRaVaNiStA

Portal AuToCaRaVaNiStA http://www.autocaravanista.pt Coordenador jbmendes

CASTELO MENDO - ALMEIDA

Apontamento AuToCaRaVaNiStA:

Castelo Mendo, é mais uma aldeia muralhada com a traça ainda bem conservada e com as caracteristicas originais, tirando 1 ou outro pormenor da era do cimento e da tinta.A Igreja (fechada) dizia-nos a propósito disto uma habitante septuagenária da aldeia que por motivos de segurança a igreja está fechada a visitas, já que ultimamente tem havido diversos roubos de arte sacra. Dizia-nos a senhora que a igreja tem um espólio muito rico. Ficamo-nos pela história.

HISTÓRIA:

Situada na margem esquerda do rio Côa, a cerca de 20 km da sede do concelho, a freguesia de Castelo Mendo é constituída pelas povoações de Castelo Mendo e Paraizal, lugar onde existe um muito antigo relógio de sol. A história de Castelo Mendo é riquíssima, tendo sido cabeça de um concelho de grande importância, que dominava uma vasta área.O poder de outrora está ainda hoje bem representado na actual povoação. Toda ela é uma fortaleza - museu.Castelo Mendo situa-se, a cerca de 800 metros de altitude, com vertentes abruptas, que descem para o ribeiro dos Cadelos e o rio Côa, a cerca de um quilómetro de distância.Nesta paisagem de grande beleza, instalaram-se desde cedo os primeiros habitantes. Aí deverá ter existido, antes da chegada dos romanos, um castro lusitano, importante sob o ponto de vista estratégico e por isso aproveitado por aquele povo. Restos de antigos troços de estrada, ultimamente encontrados na povoação, bem como alguma cerâmica e diversas moedas, provam a remota existência neste local de um centro político e administrativo relativamente importante.A localização geográfica de Castelo Mendo funcionou em diferentes momentos como força motriz fundamental para o progresso. Assim aconteceu com a Reconquista Cristã. Castelo Mendo situado num morro, garantia a defesa das terras da margem esquerda do rio Côa. Daí à construção do castelo apenas um pequeno passo, decidido por D. Sancho II em meados do séc. XIII. Este monarca, em 15 de Março de 1229, deu foral a Castelo Mendo. O objectivo do documento era o povoamento de "Castelli Menendi" por membros de todas as classes sociais, embora o foral refira os "melhores homens da Vila": "Melioribus hominibus de villa clericis et laicis".Pelo mesmo foral, é criada uma feira franca em Castelo Mendo, que se realizaria três vezes por ano. Na Páscoa, na festa de S. João e na de S. Miguel. Cada uma iria durar oito dias e os seus participantes beneficiariam da protecção real durante a sua realização, fossem "credores ou homícidas". Segundo Virgínia Rau, foi a primeira vez que na documentação oficial surgiram referências a feiras, já que anteriormente eram comuns alusões a mercados locais. A de Castelo Mendo terá sido, assim, pioneira no que diz respeito às feiras medievais portuguesas. Com D. Dinis, Castelo Mendo tornou-se um ponto ainda mais importante na estratégia defensiva do reino. Mandou alargar as muralhas da povoação, trabalho que só viria a ficar concluído no reinado de D.Fernando. Depois do reinado de D. Dinis, as muralhas de Castelo Mendo passaram a constituir um ponto de defesa muito eficaz para as lutas com Castela. Ao mesmo tempo, foram concedidos novos privilégios à povoação e ampliados os benefícios apresentados no primeiro foral. O mesmo voltou a acontecer com D. Manuel, em 1 de Junho de 1510. Localidade bastante antiga, foi no período da reconquista o ponto fronteiriço entre Portugal e Castela. Depois do Tratado de Alcanices em 1297 a mobilidade da fronteira para Almeida e Castelo Rodrigo levou a que esta localidade perdesse a importância anteriormente verificada.Os dois panos de muralha existentes reportam-se: o primeiro, a um plano inicial de D. Sancho e o segundo, a um desenvolvimento e incremento económico ocorrido desde D. Dinis a D. Manuel, conforme se verifica no "telheiro" da primeira feira franca da região existente no exterior das muralhas.

PATRIMÓNIO E TURISMO: p>

[Error: Irreparable invalid markup ('<o [...] preservados.o>') in entry. Owner must fix manually. Raw contents below.]

Apontamento AuToCaRaVaNiStA:<p><div class="separator" style="clear: both; text-align: center;"><a href="https://1.bp.blogspot.com/-A7P6dAr9GAk/T4N8QogbilI/AAAAAAAACm0/19GL-re10hA/s1600/P4036140.JPG" imageanchor="1" style="clear:left; float:left;margin-right:1em; margin-bottom:1em"><img border="0" height="150" width="200" src="https://1.bp.blogspot.com/-A7P6dAr9GAk/T4N8QogbilI/AAAAAAAACm0/19GL-re10hA/s200/P4036140.JPG" /></a></div>Castelo Mendo, é mais uma aldeia muralhada com a traça ainda bem conservada e com as caracteristicas originais, tirando 1 ou outro pormenor da era do cimento e da tinta.A Igreja (fechada) dizia-nos a propósito disto uma habitante septuagenária da aldeia que por motivos de segurança a igreja está fechada a visitas, já que ultimamente tem havido diversos roubos de arte sacra. Dizia-nos a senhora que a igreja tem um espólio muito rico. Ficamo-nos pela história.<p>HISTÓRIA:<p><div class="separator" style="clear: both; text-align: center;"><a href="https://1.bp.blogspot.com/-jhByfSzSonY/T4N8dvBjLCI/AAAAAAAACnA/GLBN4py_OuQ/s1600/P4036179.JPG" imageanchor="1" style="clear:left; float:left;margin-right:1em; margin-bottom:1em"><img border="0" height="150" width="200" src="https://1.bp.blogspot.com/-jhByfSzSonY/T4N8dvBjLCI/AAAAAAAACnA/GLBN4py_OuQ/s200/P4036179.JPG" /></a></div>Situada na margem esquerda do rio Côa, a cerca de 20 km da sede do concelho, a freguesia de Castelo Mendo é constituída pelas povoações de Castelo Mendo e Paraizal, lugar onde existe um muito antigo relógio de sol. A história de Castelo Mendo é riquíssima, tendo sido cabeça de um concelho de grande importância, que dominava uma vasta área.O poder de outrora está ainda hoje bem representado na actual povoação. Toda ela é uma fortaleza - museu.Castelo Mendo situa-se, a cerca de 800 metros de altitude, com vertentes abruptas, que descem para o ribeiro dos Cadelos e o rio Côa, a cerca de um quilómetro de distância.Nesta paisagem de grande beleza, instalaram-se desde cedo os primeiros habitantes. Aí deverá ter existido, antes da chegada dos romanos, um castro lusitano, importante sob o ponto de vista estratégico e por isso aproveitado por aquele povo. Restos de antigos troços de estrada, ultimamente encontrados na povoação, bem como alguma cerâmica e diversas moedas, provam a remota existência neste local de um centro político e administrativo relativamente importante.A localização geográfica de Castelo Mendo funcionou em diferentes momentos como força motriz fundamental para o progresso. Assim aconteceu com a Reconquista Cristã. Castelo Mendo situado num morro, garantia a defesa das terras da margem esquerda do rio Côa. Daí à construção do castelo apenas um pequeno passo, decidido por D. Sancho II em meados do séc. XIII. Este monarca, em 15 de Março de 1229, deu foral a Castelo Mendo. O objectivo do documento era o povoamento de "Castelli Menendi" por membros de todas as classes sociais, embora o foral refira os "melhores homens da Vila": "Melioribus hominibus de villa clericis et laicis".Pelo mesmo foral, é criada uma feira franca em Castelo Mendo, que se realizaria três vezes por ano. Na Páscoa, na festa de S. João e na de S. Miguel. Cada uma iria durar oito dias e os seus participantes beneficiariam da protecção real durante a sua realização, fossem "credores ou homícidas". Segundo Virgínia Rau, foi a primeira vez que na documentação oficial surgiram referências a feiras, já que anteriormente eram comuns alusões a mercados locais. A de Castelo Mendo terá sido, assim, pioneira no que diz respeito às feiras medievais portuguesas. Com D. Dinis, Castelo Mendo tornou-se um ponto ainda mais importante na estratégia defensiva do reino. Mandou alargar as muralhas da povoação, trabalho que só viria a ficar concluído no reinado de D.Fernando. Depois do reinado de D. Dinis, as muralhas de Castelo Mendo passaram a constituir um ponto de defesa muito eficaz para as lutas com Castela. Ao mesmo tempo, foram concedidos novos privilégios à povoação e ampliados os benefícios apresentados no primeiro foral. O mesmo voltou a acontecer com D. Manuel, em 1 de Junho de 1510. Localidade bastante antiga, foi no período da reconquista o ponto fronteiriço entre Portugal e Castela. Depois do Tratado de Alcanices em 1297 a mobilidade da fronteira para Almeida e Castelo Rodrigo levou a que esta localidade perdesse a importância anteriormente verificada.Os dois panos de muralha existentes reportam-se: o primeiro, a um plano inicial de D. Sancho e o segundo, a um desenvolvimento e incremento económico ocorrido desde D. Dinis a D. Manuel, conforme se verifica no "telheiro" da primeira feira franca da região existente no exterior das muralhas. <p>PATRIMÓNIO E TURISMO: p><O programa das "Aldeias Históricas" transformou a freguesia, sob o ponto de vista urbanístico e de recuperação patrimonial.Os fios e cabos eléctricos e telefónicos foram enterrados, as fachadas foram arranjadas, os monumentos restaurados e preservados.O turismo começa a despontar, com a criação de o "Museu do Tempo e dos Sentidos", a realização da Feira Medieval que traz cada vez mais gente à Freguesia, em busca de encontros e partilha de vivências, enquanto se transaccionam produtos regionais, como o fumeiro, queijo, o mel, etc.<p>Património Edificado:<p> Igreja de Santa Maria do Castelo - de raíz românica é considerada uma das mais antigas do Distrito da Guarda.Igreja de S. Pedro - de traçado setecentista, destina-se ainda hoje ao culto.Igreja de S. Vicente - era a igreja utilizada pelos nobres. Destaque para o tecto de raíz mudejar.Pelourinho - manuelino, ostentando bonito capitel em gaiola, tendo a sua coluna sete metros de altura. Antiga Misericórdia - de traçado filipino ostenta numa das suas paredes uma vieira testemunhando que por aqui passava uma das "Rotas de S. Thiago".Tribunal - edifício que funcionou como Tribunal, Câmara e Prisão.O "Mendo e a Menda" - esculturas colocadas numa parede (do Tribunal e casa particular). "Dois Berrões" - esculturas votivas de origem celta colocadas à entrada da Vila, testemunhando a antiguidade da mesma. Paisagem: É de referir a agreste paisagem, cheia de contrastes, entre o morro feérico e deserto, e o fresco vale junto às margens do rio Côa.Aqui alarga-se um importante açude (Vale de S. Miguel), onde se pode praticar a pesca desportiva e passar amenos momentos, ouvindo a queda da água em comunhão com a Natureza.O ribeiro dos Cadelos é também um elemento interessante e de destaque, na paisagem de Castelo Mendo.<p>Fonte: http://www.castelomendo.com/<p>COPYRIGHT AuToCaRaVaNiStA<p>by jbmendes<div class="blogger-post-footer">Portal Autocaravanista - Autocaravanismo -Turismo Itinerante - Grupo Autocaravanista - Motorhommes - CampingCars - Wohnmobile-PORTUGAL</div>

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mais visitados

    Arquivo

    1. 2015
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2014
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2013
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2012
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2011
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2010
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2009
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2008
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2007
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2006
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D