Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

AuToCaRaVaNiStA

Portal AuToCaRaVaNiStA http://www.autocaravanista.pt Coordenador jbmendes

AuToCaRaVaNiStA

Portal AuToCaRaVaNiStA http://www.autocaravanista.pt Coordenador jbmendes

IGREJA MOÇÁRABE DE S. PEDRO DE LOUROSA - Olª DO HOSPITAL


Apontamento AuToCaRaVaNiStA:
A Igreja Matriz Moçárabe de S. Pedro de Lourosa, fica situada na Freguesia com o mesmo nome, pertencente ao Concelho de Oliveira do Hospital, Distrito de Coimbra, Portugal.
É uma Igreja de origens muçulmanas, Árabes, por isso o nome Moçárabe, mas inexplicavelmente, ou não, com a inclusão de materiais Romanos, e Visigóticos. Monumento Nacional, recuperado, de enorme valor patrimonial, do primeiro milénio da era de Cristo, mais precisamente do ano de 912. A torre sineira está desintegrada da estrutura da igreja, que tem 3 níveis de construção. Em matéria de aparcamento para autocaravanas é muito limitado.
                HISTÓRIA:
A igreja de São Pedro de Lourosa tem grande importância, histórica e arquitectónica, por ser um 4 templos pré-românicos existentes em Portugal. Os restantes são a Ermida de São Gião (Nazaré) (**) a Igreja de São Frutuoso de Montélios (Braga) (**) e a igreja de São Pedro de Balsemão (Lamego) (**).
A igreja de São Pedro de Lourosa tem sóbria arquitectura com ausência de decoração. Como foi edificada na cultura moçarabe, caracteriza-se pela utilização de arcos de ferrradura assente em colunas lisas.

Uma lápide que se encontra sobre a verga da porta data a igreja do ano de 912 da era cristã.
O Interior da Igreja matriz de Lourosa
É insólita a frontaria da igreja de Lourosa porque mostra uma nítida influência da arquitectura romana, com o seu arco de volta perfeita, talvez inspirado no monumental arco das Ruínas romanas da Bobadela (**) não muito longe dali. Mas também tal solução faz-nos lembrar que o modo de construção românico vinha já aí.


A igreja é antecedida por um amplo nártex que da acesso a nave central.

O interior é de 3 naves, separadas por arcos em ferradura-de arquitectura mourisca. A nave central é mais larga e alta do que as laterais e o transepto é pouco saliente em relação às paredes exteriores destas. A cabeceira é formada por três capelas.
As paredes são altas e lisas, a iluminação escassa e a sua estrutura maciça lembram a arquitectura asturariana e de alguma forma também a enigmática “basílica” de Idanha-a-Velha.
A luz penumbrosa deve-se em parte a duas elegantes azimezes, ou janelas geminadas, situadas no alto de cada uma das paredes do topo, tipicamente pré-românicas.
Nos seus materiais de construção estão encontram-se pedras romanas, visigóticas ou árabe.

As imagens que se encontram nos altares também têm qualidade, todas em calcário de Ançã e pintadas da escola de escultores de Coimbra. A mais interessante é de São Pedro (século XV).
Um pouco afastado do edifício ergue-se um campanário que foi construído no século XV, anexo a igreja, tendo sido retirado e colocado no lugar onde se encontra quando das obras de restauro no século XX.
A pia baptismal, ainda é das grandes- típica da Alta Idade Média, estando escavada em afloramento rochoso.
Quer no interior, quer no exterior podemos encontrar várias sepulturas rupestres.

E agora eu questiono-o, alguma vez visitou um dos mais importantes da Península Ibérica que, para além de constituir um valiosíssimo testemunho histórico da arquitectura moçárabe, simboliza a primeira explosão arquitectónica do cristianismo em terras ocupadas pelos árabes e que se traduz numa franca respeito pela religião cristã? Aqui a cultura e poder era muçulmano, mas no entanto tinham tolerância suficiente para permitir um templo cristão. Tal tolerância não se verificou após a reconquista cristã sob a mesma religião muçulmana. Enfim, podemos ser molestos defendendo causas que julgamos altivas.
“Mil anos certos fizestes Igreja de Lourosa no dia 1 de Janeiro de 1912! Mil anos mais te protejam e coroem a tua eterna juventude”, pode ler-se numa lápide afixada no adro da Igreja de Lourosa, pois então que continues a ser um símbolo de tolerância religiosa entre os homens de boa vontade.
Fonte: Portugal Notável - http://www.portugalnotavel.com

Portal AuToCaRaVaNiStA
Grupo AuToCaRaVaNiStA Português
Copyright AuToCaRaVaNiStA - by jbmendes

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mais visitados

    Arquivo

    1. 2015
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2014
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2013
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2012
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2011
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2010
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2009
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2008
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2007
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2006
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D